GadgetBrasil

Novidades em tecnologia e soluções em conectividade.

Aqui você encontrará as maiores novidades em tecnologia.

Plano de Gerenciamento de Resíduos


xxx FARMÁCIA E DROGARIA LTDA.
Rua XXX – Bairro XXX
Cidade/XX – CEP XXXXX-XXX
Fone/Fax (XX) XXXX-XXXX
CNPJ 00.000.000/0000-00


                                                                                               

1. OBJETIVOS


  • GERAL - O gerenciamento de resíduos de serviços de saúde tem o objetivo de definir medidas de segurança e saúde para o trabalhador, garantir a integridade física do pessoal direta e indiretamente envolvido e a preservação do meio ambiente.
  • ESPECÍFICO - Minimizar os riscos qualitativa e quantitativamente, reduzindo os resíduos perigosos e cumprindo a legislação referente à saúde e ao meio ambiente.
  

2. EQUIPE DE TRABALHO


NOME
FUNÇÃO

 Farmacêutica

 Administradora

 Atendente



3. DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO ATUAL


3.1. CARACTERIZAÇÃO DO ESTABELECIMENTO


3.1.1. Identificação

Razão Social:
Nome Fantasia:
CNPJ:
Quanto a Propriedade: particular
Endereço:
CEP:
Telefone: 
Município:                             UF:
Número de habitantes:
Tipo de Estabelecimento: Farmácia Comercial
Horário de Funcionamento: 
Número de Atendimentos: x clientes
Responsável Técnico pelo Estabelecimento:
Responsável pelo PGRSS:


3.1.2. Capacidade Operacional


UNIDADE
CLIENTES/MÊS
Farmácia



 3.1.3. Espaço Físico
Área total do terreno:     
Área total construída:     
Área total Sala B:          


3.1.4. Organograma  

FARMÁCIA COMERCIAL

  
   

 3.1.5. Responsabilidades do PGRSS               

NÍVEL
RESPONSÁVEL
RESPONSABILIDADES
Responsável
pelo PGRSS

Responsável Técnico
Implementar e assegurar a manutenção do PGRSS e a aplicação das normas de segurança e legislação específica da saúde e do meio ambiente
Gerência
Administração
Garantir a execução do PGRSS e das normas de manejo interno de resíduos


3.1.6. Representantes das Áreas

GRUPOS
REPRESENTANTES
  Técnicos de saúde nível superior
  1 Farmacêutico
  Técnicos de saúde nível médio
  2 Auxiliares de Farmácia
  Serviços Gerais
  1 Auxiliar de Serviços Gerais


3.1.7. Caracterização dos Aspectos Ambientais

LOCAL
RESÍDUOS SÓLIDOS
EFLUENTES LÍQUIDOS
Área administrativa
Papel, plástico e lâmpada fluorescente.
-
Área de dispensação
Papel, plástico, copos plásticos, lâmpada fluorescente, produtos farmacêuticos.
Água
Área de atenção farmacêutica
Luvas, algodão, gaze, esparadrapo, agulhas e seringas, tiras-teste, lâmpada fluorescente, toalhas de papel, vidro.
Água
Área de perfuração de lóbulo auricular
Luvas, algodão, lâmpada fluorescente, toalhas de papel.
Água
Sanitário
Papéis higiênicos e absorventes, toalhas de papel.
Água e esgoto
OBS: Na região em que se localiza o estabelecimento, existe coleta e tratamento de esgoto.


4. DEFINIÇÃO DO PGRSS


4.1. CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE


A classificação dos RSS objetiva destacar a composição desses resíduos segundo as suas características biológicas, físicas, químicas, estado da matéria e origem, para seu manejo seguro.
A classificação adotada é baseada na Resolução RDC da ANVISA n.º 306 de 7 de dezembro de 2004, Resolução CONAMA n.º 358, de 29 de abril de 2005.

Os resíduos gerados são:

1.      Grupo A1: Não há geração.
2.      Grupo A2: Não há geração.
3.      Grupo A3: Não há geração.
4.    Grupo A4: Luvas, algodão, gazes, esparadrapo e tiras teste contendo secreções provenientes de pacientes que não contenham e nem sejam suspeitos de conter agentes Classe de Risco 4.
5.      Grupo A5: Não há geração.
6.      Grupo B: Resíduos de produtos ou de insumos farmacêuticos.
7.      Grupo C: Não há geração.
8.      Grupo D: Resíduos comuns – papel, metal, vidro e plástico.
9.      Grupo E: Materiais perfurocortantes – agulhas, cacos de vidro e plástico, lâminas de vidro e de barbear, etc.

4.2. MANEJO DE RESÍDUOS


O manejo dos resíduos consta das seguintes etapas:

1.      GERAÇÃO
2.      SEGREGAÇÃO E ACONDICIONAMENTO
3.      COLETA
4.      ARMAZENAMENTO
5.      TRATAMENTO
6.      DISPOSIÇÃO FINAL


4.2.1. Geração


LOCAL
DESCRIÇÃO DO RESÍDUO
QUANTIDADE GERADA POR MÊS
Área administrativa
Papel e plástico.
100 Litros
Área de dispensação
Papel, plástico e copos plásticos.
150 Litros
Produtos farmacêuticos.
10 Litros
Área de atenção farmacêutica
Luvas, algodão, gaze, esparadrapo e tiras-teste.
10 Litros
Agulhas, seringas e vidro.
10 Litros
Toalhas de papel.
60 Litros
Área de perfuração de lóbulo auricular
Luvas e algodão.
10 Litros
Toalhas de papel.
30 Litros
Sanitário
Papéis higiênicos, absorventes e toalhas de papel.
150 Litros


4.2.2. Segregação e Acondicionamento

LOCAL
DESCRIÇÃO DO RESÍDUO
GRUPO
EST.
FÍS
RECIPIENTE UTILIZADO
A
B
E
D
R
NR
S
L
DESCRIÇÃO
CAP
SIMBOLOGIA/ IDENTIFICAÇÃO
Área administrativa
Papel e plástico



X

X

Recipiente rígido de cor cinza, sem tampa e com pedal, revestido de saco plástico impermeável preto, resistente.
30 litros
Símbolo e inscrição de resíduo comum – Grupo D
Lâmpada Fluorescente

X



X

Na embalagem original.
1 Unid.
Resíduo do Grupo E
Área de dispensação
Papel, plástico e copos plásticos




X
X

Recipiente rígido de cor cinza, sem tampa e com pedal, revestido de saco plástico impermeável preto, resistente.
30 litros
Símbolo e inscrição de resíduo comum – Grupo D
Produtos farmacêuticos

X



X
X
Recipiente rígido e estanque, revestido com duplo saco plástico de cor branco-leitosa.
30 litros
Resíduo do Grupo B
Lâmpada fluorescente

X



X

Na embalagem original.
1 Unid.
Resíduo do Grupo E










Área de atenção farmacêutica
Luvas, algodão, gaze, esparadrapo e tiras-teste
X




X

Recipiente rígido, impermeável, de cor bege, com tampa, revestido de saco plástico resistente de cor branco leitoso.
30 litros
Símbolo e inscrição de resíduo biológico – Grupo A
Agulhas, seringas e vidro


X


X

Recipiente rígido, resistente à punctura, ruptura e vazamento, com tampa e revestido com saco plástico resistente de cor amarela.
13 litros
Símbolo de resíduo biológico, com a inscrição perfurocortante – Grupo E
Lâmpada fluorescente

X



X

Na embalagem original.
1 Unid.
Resíduo do Grupo E
Toalhas de papel




X
X

Recipiente rígido de cor bege, com tampa e pedal, revestido de saco plástico impermeável preto, resistente.
30 litros
Símbolo e inscrição de resíduo comum – Grupo D
Área de perfuração de lóbulo auricular
Luvas e algodão
X




X

Recipiente rígido, impermeável, de cor bege, com tampa, revestido de saco plástico resistente de cor branco leitoso.
30 litros
Símbolo e inscrição de resíduo biológico – Grupo A
Lâmpada fluorescente

X



X

Na embalagem original.
1 Unid.
Resíduo do Grupo E
Toalhas de papel




X
X

Recipiente rígido de cor bege, com tampa e pedal, revestido de saco plástico impermeável preto, resistente.
30 litros
Símbolo e inscrição de resíduo comum – Grupo D
Sanitário
Papéis higiênicos, absorventes e toalhas de papel




X
X

Recipiente rígido de cor bege, com tampa e pedal, revestido de saco plástico impermeável preto, resistente.
30 litros
Símbolo e inscrição de resíduo comum – Grupo D


4.2.3. Coleta


A coleta dos resíduos gerados é realizada pelo pessoal que executa as várias atividades dentro da farmácia e são acondicionados em recipientes adequados a cada tipo de resíduo, com identificação especificada.
                                                                   

4.2.3.1. Coleta Interna


A coleta interna consiste no translado dos resíduos dos pontos de geração até o abrigo de resíduos destinados à apresentação para a coleta externa. É realizada em sentido único, não coincidente com períodos de maior fluxo de pessoas.

Grupo A
Os resíduos do grupo A são recolhidos uma vez por mês. Pelo tamanho do estabelecimento, o recolhimento é efetuado pela funcionária de serviços gerais, provida de luvas de borracha. Este recolhimento acontece quando não há atendimento na área de atenção farmacêutica. Os sacos cheios são retirados das latas de lixo e são fechados com um nó e são substituídos por sacos novos. A capacidade desses sacos é de 30 litros. Esses sacos são acondicionados em recipiente próprio até serem recolhidos pela empresa XXX.

Grupo B
Os resíduos sólidos e líquidos do grupo B são recolhidos uma vez por mês pelo responsável técnico e são acondicionados com sua embalagem secundária em recipiente próprio e depositados em local específico até o recolhimento pela empresa XXX.

Grupo D
Os resíduos do grupo D são recolhidos a cada dois dias pela funcionária de serviços gerais e depositados em um recipiente coletor com capacidade de 200 litros.

Grupo E
Os resíduos perfurocortantes permanecem armazenados em seus locais de geração, acondicionados em recipiente próprio. Quando estão cheios ou que se justifique a sua retirada, são armazenados em local específico até serem recolhidos uma vez por mês pela empresa XXX.

                                

4.2.3.2. Coleta Externa e Transporte


Após o acondicionamento os resíduos do Grupo D são coletados semanalmente pelo serviço de limpeza urbana da cidade.
Os resíduos do grupo A, B e E são coletados mensalmente pela empresa XXX, Caminhões XXX modelo XXX placas XXX e XXX modelo XXX placas XXX, os dois de cor branca, com baú revestido em fibra totalmente vedado para que não haja vazamento durante o transporte, sinalizado com os dizeres e símbolos, bem como, placas indicativas dos tipos de produtos transportados (ONU) conforme NBR’s da ABNT.

 

COLETA EXTERNA
COLETA DO GRUPO
(X) A
(X) B
   (X) E





LICENÇA

RESPONSÁVEL
EMPRESA
CNPJ
DE
ENDEREÇO
NOME
REGISTRO



OPERAÇÃO











4.2.4. Armazenamento Temporário


Devido às dimensões da farmácia e o volume de resíduos gerados serem de pequeno porte, o local para armazenamento temporário se encontra no depósito. Tendo em vista, a geração de pequeno porte, não há armazenamento externo para os resíduos gerados nesta farmácia.


4.2.5. Tratamento

Não há tratamento dos resíduos produzidos.

 

4.2.6. Tratamento Externo e Destinação Final


Os resíduos compreendendo os Grupos A e E terão sua disposição final em Valas Sépticas em Aterro Sanitário licenciado para tal finalidade em nome da empresa XXX, localizado na cidade de XXX, sob a Licença Ambiental de Operação – nº XXX.
Os resíduos compreendendo o Grupo B terão ensaios e tratamento prévio para cada tipo de substância e a disposição final se dará em Aterro Industrial e Sanitário de XXX em nome da empresa XXX, sob a LAO nº XXX.
Os resíduos do grupo D são coletados pela limpeza urbana da cidade e encaminhados para o Aterro Sanitário da cidade.

 

 5. MAPEAMENTO DOS RISCOS ASSOCIADOS AO RSS


LOCAL
RISCOS
BIOLÓGICOS
RISCOS
QUÍMICOS
RISCOS
ERGONÔMICOS
RISCOS DE
ACIDENTES
Área administrativa

Compostos e
substâncias
em geral
Levantamento e
transporte manual
de pesos, postura
inadequada.
Iluminação inadequada,
acondicionamento
inadequado, inexistência
ou incorreção na
identificação dos
recipientes e sacos
coletores.
Área de dispensação
Microorganismos
Compostos e
substâncias
em geral
Levantamento e
transporte manual
de pesos, postura
inadequada.
Iluminação inadequada,
materiais
perfurocortantes,
acondicionamento
inadequado, inexistência
ou incorreção na
identificação dos
recipientes e sacos
coletores.
Área de atenção farmacêutica
Microorganismos
Compostos e
substâncias
em geral
Levantamento e
transporte manual
de pesos, postura
inadequada.
Iluminação inadequada,
materiais
perfurocortantes,
acondicionamento
inadequado, inexistência
ou incorreção na
identificação dos
recipientes e sacos
coletores.
Área de perfuração de lóbulo auricular
Microorganismos

Compostos e
substâncias
em geral
Levantamento e
transporte manual
de pesos, postura
inadequada.
Iluminação inadequada,
acondicionamento
inadequado, inexistência
ou incorreção na
identificação dos
recipientes e sacos
coletores.
Sanitário
Microorganismos


Levantamento e
transporte manual
de pesos, postura
inadequada.
Acondicionamento
inadequado, inexistência
ou incorreção na
identificação dos
recipientes e sacos
coletores.


6. CONTROLE DE RISCOS

ÁREA
PROCESSO
SEGREGAÇÃO, ACONDICIONAMENTO, COLETA INTERNA, TRANSPORTE E TRANSBORDO PARA O ABRIGO EXTERNO
ONDE
O QUE
QUEM
COMO
QUANDO
AÇÃO
Área de atenção farmacêutica, de perfuração de lóbulo auricular e Sanitário
RISCO BIOLÓGICO
Contaminação
por agentes biológicos
Farmacêutico
Auxiliares de
Farmácia e de
Serviços Gerais
Lesão por corte e
perfuração causada por
resíduo perfurocortante.
Contato com materiais
contaminados com fluidos orgânicos.
Horário de coleta interna,
transporte e transbordo
para abrigo externo.
Na segregação e acondiciona-mento.
Cursos de capacitação.
Utilização dos EPI's necessários. Segregação correta. Acondicionamento
em recipientes específicos para cada tipo de resíduo.
Identificação correta dos
recipientes e sacos coletores.
Área administrativa, de dispensação, de atenção farmacêutica, de perfuração de lóbulo auricular e Sanitário
RISCO

ERGONÔMICO

Lesões causadas por: esforço físico intenso, postura inadequada levantamento de peso excessivo, quedas
Farmacêutico
Auxiliares de
Farmácia e de
Serviços Gerais
Levantamento e
transporte manual de pesos.
Horário de coleta interna,
transporte e transbordo
para abrigo externo.
Cursos de capacitação.
Utilização de coletores
apropriados para o
transporte.
Área de dispensação, de atenção farmacêutica, de perfuração de lóbulo auricular e Sanitário
RISCO DE
ACIDENTES
Lesões causadas por materiais
perfurocortantes
Farmacêutico
Auxiliares de
Farmácia e de
Serviços Gerais
Segregação incorreta,
acondicionamento
inadequado, manuseio incorreto.
Horário de coleta interna,
transporte e transbordo
para abrigo externo.
Cursos de capacitação.
Utilização dos EPI's
necessários.
Segregação correta.
Acondicionamento em recipientes específicos para
cada tipo de resíduo.
Identificação correta dos recipientes e sacos coletores
Área de dispensação, de atenção farmacêutica, de perfuração de lóbulo auricular e Sanitário
RISCO QUÍMICO
Intoxicação,
contaminação ou lesão causados por produtos e/ou substâncias químicas tóxicas
Farmacêutico
Auxiliares de
Farmácia
Contato com materiais
contaminados por
resíduos de produtos ou
substâncias químicas
perigosas.
Horário de coleta interna,
transporte e transbordo
para abrigo externo.
Na segregação e acondiciona-mento.
Cursos de capacitação.
Utilização dos
EPI' s necessários.
Segregação correta.
Acondicionamento em recipientes específicos para
cada tipo de resíduo.
Identificação correta dos recipientes.



























7. CONTROLE DE RISCOS - EPI


LOCAL
RISCO
EPI's
NECESSÁRIOS
SITUAÇÃO
EPI's
OBSERVAÇÕES
Área administrativa
Levantamento e
transporte manual de pesos, postura inadequada, iluminação inadequada,
inexistência de identificação nos recipientes e sacos coletores.
Jaleco
OK
Os EPI’s são
utilizados pelo
pessoal de coleta,
transporte de resíduos, limpeza e pelos profissionais da área de saúde.
Área de dispensação
Compostos e substâncias químicas em geral, levantamento e transporte manual de pesos, postura inadequada, iluminação inadequada, materiais perfurocortantes, acondicionamento
inadequado, inexistência de identificação nos recipientes e sacos coletores.
Luvas de
borracha e jaleco
OK
Os EPI’s são
utilizados pelo
pessoal de coleta,
transporte de resíduos, limpeza e pelos profissionais da área de saúde.
Área de atenção farmacêutica
Microorganismos, compostos e substâncias químicas em geral, levantamento e transporte manual de pesos, postura inadequada, iluminação inadequada, materiais perfurocortantes, acondicionamento
inadequado, inexistência de identificação nos recipientes e sacos coletores.
Luvas de
borracha e jaleco
OK
Os EPI’s são
utilizados pelo
pessoal de coleta,
transporte de resíduos, limpeza e pelos  profissionais da área de saúde.
Área de perfuração de lóbulo auricular
Microorganismos, compostos e substâncias químicas em geral, levantamento e transporte manual de pesos, postura inadequada, iluminação inadequada, acondicionamento
inadequado, inexistência de identificação nos recipientes e sacos coletores.
Luvas de
borracha e jaleco
OK
Os EPI’s são
utilizados pelo
pessoal de coleta,
transporte de resíduos, limpeza e pelos  profissionais da área de saúde.
Sanitário
Microorganismos, levantamento e
transporte manual de
pesos, postura inadequada, acondicionamento
inadequado,
inexistência de identificação nos recipientes e sacos coletores.
Luvas de
borracha
OK
Os EPI’s são
utilizados pelo
pessoal de coleta,
transporte de resíduos
e limpeza.

8. PRIORIZAÇÃO DE AÇÕES COM BASE NOS RISCOS IDENTIFICADOS



LOCAL
RISCO
CATEGORIA
DE RISCO
PROB. DE
OCORRÊNCIA
Área administrativa
Levantamento e transporte
manual de pesos, postura
inadequada.
Desprezível
Mínima
Iluminação e
acondicionamento
inadequados, inexistência ou
incorreção na identificação
dos recipientes coletores.
Desprezível
Mínima
Área de dispensação
Compostos e substâncias
químicas em geral.
Limítrofe
Mínima
Levantamento e transporte
manual de pesos, postura
inadequada.
Desprezível
Mínima
Iluminação e
acondicionamento
inadequados, inexistência ou
incorreção na identificação
dos recipientes coletores.
Desprezível
Mínima
Materiais perfurocortantes.
Limítrofe
Mínima
Área de atenção farmacêutica
Microorganismos
Limítrofe
Mínima
Levantamento e transporte
manual de pesos, postura
inadequada.
Desprezível
Mínima
Iluminação e
acondicionamento
inadequados, inexistência ou
incorreção na identificação
dos recipientes coletores
Desprezível
Mínima
Materiais perfurocortantes
Limítrofe
Mínima
Área de perfuração de lóbulo auricular
Microorganismos
Limítrofe
Mínima
Levantamento e transporte
manual de pesos, postura
inadequada.
Desprezível
Mínima
Iluminação e
acondicionamento
inadequados, inexistência ou
incorreção na identificação
dos recipientes coletores
Desprezível
Mínima

Microorganismos
Limítrofe
Mínima

Sanitário
Levantamento e transporte
manual de pesos, postura
inadequada.
Desprezível
Mínima

Acondicionamento
inadequado, inexistência de
identificação nos recipientes e
sacos coletores.
Desprezível
Mínima



9. DADOS DO PROFISSIONAL RESPONSÁVEL PELA ELABORAÇÃO DO PGRSS


Nome:
Formação Profissional:
- Farmacêutica com especialização em Bioquímica – Análises Clínicas, formada pela Universidade XXX.
- Inscrita no Conselho Regional de Farmácia do estado de XXXX sob n.º XXXX.

 XXXX, 02 de fevereiro de 2012.

__________________________
             Assinatura

10. INDICADORES


De acordo com o item 4.2 da RDC 306 da ANVISA, os indicadores abaixo especificados, nesta data são:

Indicadores
Tipo de Resíduos
Volume anual em 02/05/11
Volume anual em 02/05/11
Variação percentual
Taxa de acidente com perfurocortante
E
NA
NA
NA
Variação de geração
Todos
NA
NA
NA
Variação de proporção
A
NA
NA
NA
Variação de proporção
B
NA
NA
NA
Variação de proporção
D
NA
NA
NA
Variação de proporção
E
NA
NA
NA
Variação percentual de reciclagem
D
NA
NA
NA

11. ANEXOS


1 – Documentação de controle de vetores;
2 – Treinamento dos funcionários do estabelecimento envolvidos na segregação e coleta de resíduos;
3 – Glossário;
4 – Bibliografia;
5 – Planta baixa do estabelecimento identificando os pontos de geração de resíduos;
6 – Documentação da empresa terceirizada na coleta de resíduos dos Grupos A, B e E;
7 – Capacitação técnica do responsável pela elaboração do PGRSS.
  

ANEXO 1

CONTROLE DE VETORES
DATA
TIPO DE VETOR
EMPRESA RESPONÁ VEL
ASSINATURA

.




















ANEXO 2

TREINAMENTO DE FUNCIONÁRIOS
NOME
ASSINATURA
DATA

.

















ANEXO 3 – GLOSSÁRIO

ATERRO INDUSTRIAL - técnica de destinação final de resíduos químicos no solo, sem causar danos ou riscos à saúde pública, minimizando os impactos ambientais e utilizando procedimentos específicos de engenharia para o confinamento destes.

ATERRO SANITÁRIO - técnica de destinação final de resíduos sólidos urbanos no solo, por meio de confinamento em camadas cobertas com material inerte, segundo normas específicas, de modo a evitar danos ou riscos à saúde e à segurança, minimizando os impactos ambientais.

CLASSE DE RISCO: de um agente infeccioso leva em conta o potencial patogênico do microrganismo (morbidade leve X alta mortalidade, doença aguda X crônica). Quanto mais grave potencialmente a doença adquirida, maior o risco.

EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI - dispositivo de uso individual, destinado a proteger a saúde e a integridade física do trabalhador, atendidas as peculiaridades de cada atividade profissional ou funcional.

LICENCIAMENTO AMBIENTAL - atos administrativos pelos quais o órgão de meio ambiente aprova a viabilidade do local proposto para uma instalação de tratamento ou destinação final de resíduos, permitindo a sua construção e operação, após verificar a viabilidade técnica e o conceito de segurança do projeto.

MATERIAIS PERFUROCORTANTES - materiais pontiagudos ou que contenham fios de corte capazes de causar perfurações ou cortes.

PATOGENICIDADE - capacidade de um agente infeccioso causar doença em indivíduos normais suscetíveis.

RESÍUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE - RSS - resíduos sólidos dos estabelecimentos prestadores de serviço de saúde em estado sólido, semi-sólidos, resultantes destas atividades. São também considerados sólidos os líquidos produzidos nestes estabelecimentos, cujas particularidades tomem inviáveis o seu lançamento em rede pública de esgotos ou em corpos d'água, ou exijam para isso, soluções técnica e economicamente inviáveis em face à melhor tecnologia disponível (Resolução CONAMA N° 05/1993).

SISTEMA DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS - conjunto de unidades, processos e procedimentos que alteram as características físicas, químicas ou biológicas dos resíduos e conduzem à minimização do risco à saúde pública e à qualidade do meio ambiente.

VEÍCULO COLETOR - veículo utilizado para a coleta externa e o transporte de resíduos de serviços de saúde.


ANEXO 4 – BIBLIOGRAFIA

CONAMA - Conselho Nacional do Meio Ambiente

Resolução n° 5 de 05/08/93.
Resolução n° 6 de 19/09/91.
Resolução n° 358 de 29 de abril de 2005.
Resolução n° 275 de 25 de abril de 2001.

ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas

NBR 7500 – Símbolos de risco e manuseio para o transporte e armazenamento de material, de março de 2000.
NBR 12808 – Resíduos de serviços de saúde – classificação, de janeiro de 1993.
NBR 10004 – Resíduos sólidos - classificação, de setembro de 1987.
NBR 12807 – Resíduos de serviços de saúde – terminologia, de janeiro de 1993.
NBR 12809 – Resíduos de serviços de saúde – manuseio, de fevereiro de 1993.
NBR 9191 – Sacos plásticos para acondicionamento de lixo – requisitos e métodos de ensaio, de julho de 2000.
NBR 13853 – Coletores para resíduos de serviços de saúde perfurantes ou cortantes ­– requisitos e métodos de ensaio, de maio de 1997.
NBR 9259 – Agulha hipodérmica estéril e de uso único, de abril de 1997.
NBR 12235 – Armazenamento de resíduos sólidos perigosos, de abril de 1992.
NBR 12810 – Coleta de resíduos de serviços de saúde - de janeiro de 1993.

ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária

RDC n.° 50 de 21 de fevereiro de 2002.
RDC n.° 305 de 14 de novembro de 2002.
RDC n.° 306 de 7 de dezembro de 2004.


10 comentários:

  1. Caríssima,

    Gostaria de parabeniza-la pelo excelente trabalho e pelo autruismo em compartilha-lo.

    ResponderExcluir
  2. Boa tarde Maureen, estou precisando desse modelo de PGRSS, mas, pelo blog algumas informações ficam desconfiguradas. Teria como você me enviar o modelo por e-mail? Caso seja possível, me envie no e-mail: dany.menezes1@gmail.com. Desde já agradeço.

    ResponderExcluir
  3. Boa tarde Maureen, tbm estou precisando do modelo de PGRSS. Seria possivel enviar por e-mail. farmaciayamada@hotmail.com

    ResponderExcluir
  4. quero saber se só com especialização em bioquímica o farmacêutico pode assinar o PGRSS??? ou com bacharel tbm podemos assinar/

    ResponderExcluir
  5. Boa tarde, primeiramente obrigada pela ajuda, segundo gostaria de saber o que significa R e NR no grupo D no 4.2.2?
    Att, Danielle
    danigreis@gmail.com

    ResponderExcluir
  6. minha querida colega favor me envie este matéria por email. desde já agradeço. ernandes

    c.li.mol@hotmail.com

    ResponderExcluir
  7. estou necessitando deste seu belo plano para complementação,caso possa me enviar ficarei agradecido

    drogariasantoinacio@hotmail.com

    ResponderExcluir
  8. Boa Noite Maureen, estou precisando desse modelo de PGRSS, mas, pelo blog algumas informações ficam desconfiguradas. Teria como você me enviar o modelo por e-mail? Caso seja possível, me envie no e-mail: marianagoes26@hotmail.com. Desde já agradeço.Mariana

    ResponderExcluir
  9. Boa noite Maureen, adorei o seu blog! Dentre os modelos de PGRSS o seu é o melhor para se usar como parâmetro, você poderia me enviar esse modelo por e-mail: vivianesm.1985@gmail.com
    Desde já agradeço

    ResponderExcluir
  10. Olá Maureen, preciso muito desse modelo de PGRSS, poderia me enviar? thaisblodow@hotmail.com
    Att,
    Thais
    Obrigada!

    ResponderExcluir